• Facebook - Grey Circle
  • https://www.youtube.com/channel/UCCe
  • Instagram - Grey Circle

RESERVA VOLTA VELHA

Saiba sobre a nossa atuação

Desde 1995 a ADEA vem atuando no complexo conhecido como Reserva Volta Velha, em Itapoá. Vários foram os projetos desenvolvidos em conjunto com os proprietários da Reserva Particular de Patrimônio Natural – RPPN.

Em 2005, a ADEA implantou o CEAL - Centro de Educação ao Ar Livre da Reserva Volta Velha, desenvolvendo um programa de educação ambiental para os alunos das 5ªs e 6ªs séries do ensino fundamental das escolas públicas de Itapoá.

Em 2007, por intermédio do FUNCULTURAL, Programa de Incentivo do Governo do Estado de Santa Catarina e o apoio das empresas INCASA S.A. de Joinville/SC, TECON SC de Itapoá/SC e Marisol S.A. de Jaraguá do Sul/SC, deu continuidade ao programa de Educação ao Ar Livre na Reserva Volta Velha, recebendo cerca de 700 jovens da rede de ensino público de Itapoá.

Em 2008 e 2009, com apoio do programa FUNTURISMO do Governo do Estado de Santa Catarina, e das empresas Marisol S.A. e Arroz Urbano de Jaraguá do Sul, foram atendidos outros 600 jovens.

No decorrer do Programa de Educação ao Ar Livre, a ADEA em parceria com a EPAGRI/CIRAM, implantou na Reserva Volta Velha abrigo meteorológico e uma estação meteorológica automática.

Em 2013, firmou com os proprietários da Reserva Volta Velha o Termo de Cooperação Mútua para a gestão compartilhada da RPPN Fazenda Palmital – Reserva Volta para implementação do Plano de Manejo da unidade de conservação, elaborado com recursos obtidos pela ADEA junto a ONG SOS MATA ATLÂNTICA.

​          Um dos projetos desenvolvidos pela ADEA na RPPN Fazenda Palmital – Reserva Volta Velha foi a construção do Centro de Referência em Estudos de Florestas Costeiras, parte da “Implantação do Plano de Manejo: estruturação e desenvolvimento da RPPN Fazenda Palmital - Reserva Volta Velha”. O projeto foi contemplado pelo edital do Ministério Público Federal, oriundo dos recursos da indenização depositada pela empresa Norsul em virtude de acidente com uma barcaça em 2008 na Baía Babitonga, em São Francisco do Sul. O objetivo do edital foi valorizar e estimular a pesquisa científica e educação ambiental na região, ou seja, estimular convênios com universidades brasileiras e estrangeiras, intensificar a produção acadêmica sobre a fauna e flora da região e promover programas de educação ambiental.

​          O Centro conta com uma estrutura onde as pessoas podem realmente se integrar à natureza: há dormitórios, refeitórios, áreas para pesquisadores e um auditório para encontros, eventos e reuniões. O destaque do Centro é a sua sustentabilidade: é abastecido por captação da água da chuva, energia solar e tem tratamento de esgoto com sistema de raízes.

          A ADEA também contribuiu com a criação da RPPN Pe. Piet van der Aart, através de recursos da compensação ambiental do Porto de Itapoá, e elaborou o respectivo Plano de Manejo da Unidade de Conservação.

          Em novembro de 2019, os proprietários e herdeiros da RPPN Fazenda Palmital – Reserva Volta Velha, solicitaram o encerramento do Termo de Cooperação Mutua para a gestão compartilhada da unidade de conservação.

Atualmente o Centro de Referência em Estudos de Florestas Costeiras é gerenciado pelos proprietários da RPPN.

Centro de Referência em Estudos de Florestas Costeira

Um dos projetos, por exemplo, foi a construção do Centro de Referência em Estudos de Florestas Costeiras. O Centro faz parte do projeto “Implantação do Plano de Manejo: estruturação e desenvolvimento da RPPN Fazenda Palmital (Reserva Volta Velha)”, contemplado pelo Ministério Público Federal no edital sobre a indenização depositada pela empresa Norsul - em virtude do acidente com uma barcaça em 2008, na Baia Babitonga, em São Francisco do Sul. Seu objetivo é valorizar e estimular cada vez mais a pesquisa científica e educação ambiental na região, ou seja, estimular convênios com universidades brasileiras e estrangeiras, intensificar a produção acadêmica sobre a fauna e flora da região e promover programas de educação ambiental são apenas algumas ideias presentes no projeto.

O Centro conta com uma estrutura onde as pessoas podem realmente se integrar à natureza: há dormitórios, refeitórios, áreas para pesquisadores e um auditório para encontros, eventos e reuniões. A ADEA também conta com um escritório no local, onde a biblioteca da Associação está sediada. O mais bacana do Centro é que é sustentável (conta com captação da água da chuva, energia solar e fossa com sistema de raízes) e está disponível para reservas para diferentes situações.

Para saber mais detalhes sobre o espaço, reservas e locações, entre em contato diretamente com a Reserva Volta Velha.

Sobre a Reserva

Volta Velha é a antiga volta do Rio Saí Mirim,

local de florestas de planície de Itapoá,

Santa Catarina. Com duas RPPNs que

somam 875 hectares de áreas protegidas

e mais de 30 anos de pesquisas que qualifica um dos

mais expressivos acervos biológicos de Planícies Costeiras

do Brasil, a Volta Velha resiste como um marco da conservação nesta última fronteira de florestas primárias em solos arenosos de Santa Catarina. 

Hoje a Reserva Volta Velha conta um centro de

educação ambiental e se dedica a difusão de vivências

eco-educativas para crianças, visitantes e

observadores de fauna silvestre.