Equipe do ICMBio visita a Reserva Volta Velha e destaca seus positivos diferenciais


Que a Reserva Volta tem grandes peculiaridades ambientais, isso todos nós já sabemos; agora todo o trabalho e dedicação da equipe também foram reconhecidos por uma equipe de analistas ambientais do ICMBio – Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade.

A equipe, representada pelos analistas da equipe do estado do Paraná, Aroldo Correia da Fonseca, Luiz Francisco Faraco e Wagner Elias Cardoso, esteve na Reserva entre os dias 4 e 6 de dezembro, com o objetivo de conhecer a área, os proprietários, entender os principais problemas e pressões enfrentadas e, principalmente, indicar apoio na proteção da área.

Conforme os analistas, as visitas à Reservas Particulares de Patrimônio Natural fazem parte de uma política de apoio e proteção. “Percorremos parte da área, conhecemos seus acessos e colaboramos contra possíveis riscos e pressões”, explicou Wagner. Segundo ele, os principais problemas enfrentados pelas RPPNs geralmente são os mesmos: pressão imobiliária, caça e exploração de palmito.

Na RPPN Reserva Volta Velha, eles ressaltam grandes diferenciais entre as demais áreas, a principal delas é o manejo. “Essa é uma área muito bem manejada, diferente de 90% das áreas no Brasil, que não são”, falou Luiz Francisco. Sobre o manejo, destaca-se na Reserva Volta Velha uma área de visitação, de pesquisa, de educação ambiental e áreas exclusivas de conservação. Os analistas destacam: “É uma área que tem seu potencial muito bem explorado”.

Além do manejo, também foi destacado pela equipe a forma de gestão compartilhada da área com uma ONG Ambiental, no caso a ADEA – Associação de Defesa e Educação Ambiental; o que não é muito comum e traz bons resultados. O fato da ADEA ser responsável por apresentar os projetos é, segundo eles, “um modelo bem interessante, diferente e articulado”.

Quanto aos projetos de educação ambiental e aproximação com a comunidade local, eles afirmam ser um grande ganho para o meio ambiente e para a cidade, afinal é a partir deles que muitas pessoas ganham o sentimento de pertencimento, valorização e cuidado com o meio ambiente. Um dos exemplos citados na visita foi o projeto de Educação ao Ar livre, de imersão de jovens na natureza, que ocorreu há alguns anos atrás e que a ADEA está lutando para retomar.

Outro diferencial apontado pelos visitantes foi a aplicação de compensação ambiental de empresas em RPPNs, pois geralmente é direcionado para áreas públicas. No caso de Itapoá, a exemplo da compensação do Porto Itapoá, fica notável os bons resultados em áreas privadas.

Junto a todas as atividades desenvolvidas, a Reserva Volta Velha ainda é levada pelos analistas como uma área de grande conservação biológica. Durante os dois dias, os visitantes puderam contemplar, por exemplo, rastros de uma anta, maior mamífero terrestre do Brasil.